sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Pílulas de meus 30 anos V

Adversários são sempre adversários, infelizmente. Se eles  fosse aliados eu imploraria: Por favor, me chamem de mocinha novamente! De  jovenzinha de novo!
Fazer 30 anos é pensar em como foi duro enfrentar na política o preconceito com relação a minha idade. "é bonitinha", diziam. "com
Vinte desiste desse partido", sussurravam. 
Em todos os espaços de nossa sociedade há renovação geracional e presença crescente de mulheres.  É comum vermos grandes cientistas ou empresários jovens. Trabalhadores de todas as áreas. Professores, os mestres do mundo. Na política não. Somos poucas mulheres. Quase nenhum jovem. Jovens sem sobrenome reconhecido então... 
Resisti! Cheguei aos 30! Trabalhando umas 15 horas por dia para provar que meu rostinho não era bonito e que meu cérebro funciona bem. Resisti! Sigo sonhando os mesmos sonhos de transformações na sociedade de quando tinha 16 anos! Resisti! Mostrei, com outros milhares de jovens, que somos capazes, que vamos a luta, que transformamos idéias em ações. 
Resisti e em seis dias faço trinta. Pela constituição e pela ONU deixo de ser jovem. Alô? Adversários? Dá para me ofender de jovem de novo?! Agora sou eu quem quer!

8 comentários:

WAA - Wagner de Alcântara Aragão - Waguinho disse...

Exatamente: figura jovem na política já é raro, e que não tenha o sobrenome de algum figurão, mais ainda. Portanto, parabéns, tanto pelos 30 anos de vida, como pelos tantos de dedicação - exemplar - à vida pública.

WAA - Wagner de Alcântara Aragão - Waguinho disse...

Exatamente: figura jovem na política é raro, e figura jovem que não carregue o sobrenome de algum figurão, mais ainda. Portanto, parabéns, tanto pelos 30 anos de vida, como pelos tantos de dedicação - exemplar - à vida pública.

Salva-se quem puder! disse...

Já estão matando juíza neste país de MERDA. Tão esperando que matem políticos para tomarem uma atitude?

Emanuel Mattos disse...

Manu, o frescor da tua juventude renovou a política gaúcha, como está comprovada na votação espetacular de quase 500 mil votos que tiveste para a Câmara dos Deputados. Esses que acham que ofendem ao te considerar jovem, como dizia o poeta Mário Quintana, eles passarão. E tu, passarinho.
Um grande beijo, querida.

Nina Antonioli disse...

Acho que o preconceito a novatos é bem comum. No magistério, chega a ser gritante. Na política, penso que seja especialmente grosseiro, porque o ambiente político tende a ser bastante tradicional, nada progressista. Mas o mais importante não é ser umA jovem na política. Penso que a grandiosidade na política é cumprir além do protocolo e realizar ações de protagonismo. Sendo jovem e mulher, é lógico, dá mais orgulho.

Anderson Dino disse...

Parabens, Manu! Não votei em você (sou eleitor de SP) mas quem me dera ter a possibilidade de ser representado por alguém como você. Vida longa e próspera! \\//

joão l.henrique disse...

Parabéns, pela força e pela sua disponibilidade para lutar por uma sociedade mais igualitária e mais justa.

Continuação de um bom dia para si,Manu.

Eterno aprendiz disse...

Não gosto do termo novato, por que geralmente é usado por alguém mais experiente e que se acha conhecedor de tudo. Experiência se adquiri, e sabedoria se aprende eternamente.