quarta-feira, 19 de junho de 2013

Ouvindo o som das ruas

Era 17 de junho e assisti as ruas serem tomadas com cartazes, garra, vida e indignação. Expressões de alívio, surpresa, felicidade. Era capaz de ver, em muitos, meu próprio rosto, há longínquos quinze anos, na Esquina Democrática de Porto Alegre, no dia em que participei de minha primeira manifestação. Nunca mais parei.

Nos últimos nove anos, tenho tido a responsabilidade de representar primeiro Porto Alegre, como vereadora, e depois o Rio Grande, como deputada federal. Tenho orgulho de militar em um partido que combateu a ditadura e que sempre esteve ao lado dos trabalhadores e do povo nas lutas sociais. Tenho orgulho de meus mandatos, pois sempre os coloquei a serviço de causas como a reforma política, os direitos humanos, a defesa dos direitos da juventude e da educação e saúde públicas.

Mas a luta, o povo na rua, as cartolinas pintadas à mão, faixas, bandeiras do Brasil enroladas no corpo, palavras de ordem, a diversidade, a beleza do que vocês fizeram - e me refiro a vocês que não caíram na armadilha da violência e que protestaram em paz! - a beleza do que vocês construíram, fez com que o Brasil parasse para escutar o gigantesco som do sonho de um País melhor, com transporte público de qualidade e preço justo e uma política melhor.

E que sonho lindo o sonho de uma política melhor, mais representativa! Qual sonho mais lindo para uma geração sonhar do que o de um país com direitos humanos, sem problemas na saúde e com educação de qualidade? Vocês representam a todos nessas lutas!

Escrevo, em mais dos que os 140 caracteres habituais do twitter, para dizer que tenho feito valer uma regra da natureza pouco usada na política: tenho uma boca e dois ouvidos.

Vocês fizeram com que todos nós parássemos para pensar. Quero ouvir muito mais o que vocês têm a dizer sobre os sonhos do Brasil do futuro.

Enquanto os ouço, também os vejo nas redes e nas ruas e renovo minha energia para a luta. Tenho certeza de que somos milhares, que queremos um Brasil mais justo. Juntos, ele é possível

3 comentários:

Paloma Fleck disse...

Me dá um orgulho imenso em dizer aos que estão se interessando por política a partir de agora que minha candidata sempre tomou postura construtiva em causas como os direitos humanos, juventude, reforma política e etc...
Parabéns Manu e Obrigada por fazer seu trabalho com esse brio!

Matheus YOGA disse...

Olá Internauta!
Legal seus texto, faço das minhas palavras as suas, não que seja politico, mas essa coisa que querer mudar, mesmo sem saber para onde, essa vondade que as coisas funcionem, sonhos, mas neles que encontramos forças para lutar. Viva a Liberdade! Viva ao povo.

Edu disse...

Manu ! concordo com que escrevestes, mas é preciso governar não só para os descamisados, mas para a classe media que paga a conta do custo BRASIL, se as reformas propostas que virão forem nesse sentido, inclusive o fim do fator Previdenciário, que na minha avaliação é o medida mais injusta contra a classe trabalhadora, que na hora de ir para casa é penalizada com a perda de seus salários, mas se as reformas forem para bem geral da nação #TamoJunto.