terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Nada é para sempre


Ela pensava que tesouros duravam para sempre. O encontrou cedo demais. Afinal, alguns passam a vida procurando por eles. Não precisava dele naquele momento. Tinha tudo, era demais. Cheia de si, olhou para o tesouro e percebeu que o seu (logo o seu!) não era de ouro. Apenas um amontoado de coisas sem valor. Guardou o tesouro no mesmo lugar. Nem cogitou a hipótese de alguém encontrá-lo. Aquela porcaria era dela e estava bem segura.

Imaginem só! Outra pessoa caminhou por outros caminhos, tão tortos e repletos de vida como os dela. Os outros caminhos levaram ao mesmo tesouro.

Ela já nem lembrava do tesouro. Mas ao vê-lo assim, nas mãos de outra pessoa, lembrou da falta que ele faria naquele momento. O tudo que ela tinha era pouco demais. Ela só precisava daquele amontado de coisas cujo valor ela percebera tarde demais.

2 comentários:

EDISON disse...

SÓ UMA PALAVRA "ADOREI"

Alessandra Terribili disse...

Adorei.