domingo, 1 de janeiro de 2012

Adeus

Ela apenas pediu para ir. Era preciso ir embora, voltar para o tempo mais tranquilo em que vivia antes. Ele entenderia, era preciso entender. Pediu licença. Licença para deixar de ama-lo, para viver em harmonia.
Acordou. Voltou para a sua vida real. Ele ficou preso ao sonho. Lá ainda existia.

10 comentários:

Retas de vistas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Retas de vistas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

muito me espanta o fato da adaptação freudiana ao mito de édipo e seus consequentes desencadeamentos ainda serem tidos como bases da psiquiatria de hoje em dia. Por conta dessa aberração filosófica pais são colocados contra filhos, injustiças são cometidas pela adaptação do ser humano a seus preceitos, almas inocentes são influenciadas pelo que há de mais vil - e que justamente freud prega e quase a totalidade dos psiquiatras segue - na filosofia, entender os seres humanos como apenas objetos destinados a satisfazer 'necessidades' de sexo e morte (o que leva a guerra). Me espanta isso pelo fato de que tanto dentro da 'filosofia psicanalítica' quanto no saber de algumas filosofias e sabedorias espirituais, há vários exemplos de convívio pacífico e fraterno entre os seres humanos. por che, por dorothy, por joão paulo e madre teresa. Samuel

Retas de vistas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Oscar Rosse disse...

É preciso deixar quem amamos livre... Schopenhauer certa vez escreveu que o pássaro na gaiola, cujo canto tanto apreciamos, na verdade grita de raiva! Amor que cega machuca nos fazendo confundir gritos com cantos... e se neste adeus de seu texto "ele" ainda permaneceu sonhando, fica a grandeza de tê-la deixado despertar. Bjs Manu

Lipe Costa disse...

propaganda e vão Manuela.

Lipe Costa disse...

sempre viva,angustia é ruim pra qualquer amor

Lipe Costa disse...

e a angustia do sonho sempre é o maior Luís Felipe Pacheco Costa

Anônimo disse...

Adeus?! Mas que diabo será isto? Estaria eu a ficar demenciado? Confesso que ouvi e sua voz ainda ecoa em meus ouvidos. Pareceu um estrondo! Não fosse feminina a voz tamanha, juraria ter ouvido Deus.E quem sabe ouvi, sendo,portanto,Deus,uma fêmea? Isto seria realmente uma bomba! Um Deus com barba,em vez, uma formosa mulher?! Mas deixe-me pensar o que poderia ter acontecido.Confesso que não me lembro bem. Agora,acho que me assusto: não seriam aqueles me vindo minotauros? E os seguintes,não seriam centauros? Tudo está a me parecer um sonho!

Anônimo disse...

Só mais uma devolução.Os sobrinhos me encorajaram.Um dia tomo coragem e perco a vergonha de ser ridículo.