segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Cinza

Os sinos batiam na manhã iluminada pelo sol. Ele fazia o esforço para acompanhar a melodia, caminhando nas ruas cinzas, ainda mais cinzas que no dia anterior. Nunca entendera aquela cidade, aquelas ruas, aquela gente. Nunca fez sentido. Até hoje. O dia em que ele próprio ficou tão cinza quanto as ruas. Mesmo com o raio de sol iluminando seu rosto.

8 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

E só para piorar, esse maldito raio de sol iluminando o meu rosto!

Anônimo disse...

Que diabo! Outra moedinha?

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Nossa! Feliz que fiquei. Na verdade nao consigo escrever sempre. Tenho momentos. Apenas momentos.
Beijos
Manu