segunda-feira, 19 de abril de 2010

Um texto antigo

Sou fruto da fusão de dois "A"s e dois "L"s. Uma Ana Lúcia, um Alfredo Luis. Nasci num dia engraçado. 18.8.81, às 7h18. Aqueles que acreditam em numerologia acham graça que a data é igual de trás para frente. Cresci no interior do estado, correndo pelas ruas, tomando banho de rio, criando algumas cadelas e muitas galinhas, cuidando das árvores. Somos cinco irmãos. Consigo a proeza de ser a filha mais nova e a filha mais velha, ao mesmo tempo. Não me perguntem como. Dá trabalho demais explicar a minha família. Essa família é tudo o que sou. Eu sou todos os seus problemas e todas as suas soluções. Milito desde os dezessete anos de idade no mesmo Partido. Fui educada acreditando que é possível conquistar qualquer coisa, por uma mãe que ama o violão e a magistratura e um pai que para nas estradas para recolher amostras de solo, para o laboratório da universidade pública em que dá aulas. Se é possível conquistar qualquer coisa também é possível ajudar a mudar o mundo. Assim cresci, por isso militei, por isso sigo militando. Porque sigo acreditando. Acredito no mundo e na capacidade do ser humano de contruir um futuro melhor, lutando no presente. Acredito no Brasil e amo o Brasil. Acredito no amor. E na amizade. Acredito que tudo dá certo, enquanto dura. E que quando a gente é feliz sozinho, está pronto para deixar de ser sozinho. Aprendi a rir de mim mesma. Aprendi a chorar. Aprendi que minhas lágrimas limpam a minha alma e que meu sorriso abastece a mim mesma. Mesmo que ele incomode a algumas pessoas. Aprendi a ouvir mais aos outros. Deixei meu orgulho lá atrás. Tomo banho de sal grosso (de vez em quando) e tenho a mania de desligar o telefone e encerrar as mensagens de texto com "fica bem". Não sei porque. Sempre fiz isso. Tenho TPM. Sinto saudade da minha avó que morreu, todos os dias. E sinto saudade de um monte de gente que está viva, perto de mim e que não consigo conviver cotidianamente. Essa sou eu. Cheia de defeitos de fábrica. Mas imensamente feliz por seguir vivendo, seguir acreditando e seguir me descobrindo.

3 comentários:

Tudo do cotidiano disse...

antigo mas atual!
um beijo grandão

MILTON disse...

QUE PENA! NEM TODAS AS PESSOAS SÃO COMO VOCÊ! LINDA!!!

Anônimo disse...

ALÉM DE TUDO QUE ESCREVESTE, ÉS PARA MIM, ALÉM DE UMA IRMÃ AMOROSA E PRESTATIVA, UMA AMIGA SENSÍVEL E LEAL...
NA INFÂNCIA EU TINHA CIÚMES DE TUA MEIGUICE E ESPERTEZA... NA ADOLESCÊNCIA DESCOBRI UMA AMIGA CORAJOSA E SÁBIA...
AGORA ADULTAS, NOSSA AMIZADE ESTÁ SELADA PARA O RESTO DE NOSSAS VIDAS E DESCOBRI EM TI, UMA MULHER DE FIBRA,COM OUSADIA E PERSISTÊNCIA...
E ISSO ME DÁ UM ENORME ORGULHO E UMA IMENSA FELICIDADE POR SABER QUE O HOMEM QUE SONHA (E ACREDITA COM UNHAS, DENTES E CORAÇÃO NO SEU SONHO) É MAIS FELIZ...
TE AMO MANU E TAMBÉM SINTO MUITA SAUDADE DE TI...BEIJOS MARI