quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Apenas implicando... ou inticando, como uns diriam...


Ando escrevendo muito sobre política porque tenho dedicado ainda mais tempo para o trabalho. Cresci ouvindo que minha opção política e ideológica era velha, superada. Sou marxista. Tenho claro que temos que estudar e observar o Brasil. Mas tenho que inticar com aqueles que nos tratavam como lunáticos quando diziamos o que representava o neoliberalismo. Vejam uma parte do Capital, de Marx:



“Em um sistema de produção onde toda a continuidade do processo de reprodução depende do crédito, quando este acaba subitamente e somente transações com dinheiro passam a ser aceitas, é inevitável que ocorra uma crise, uma tremenda demanda por meios de pagamento. É por isso que, à primeira vista, a crise inteira parece ser somente uma crise de crédito e de moeda. E de fato trata-se apenas da conversibilidade de letras de câmbio em dinheiro. No entanto, a maioria destes papéis representam compras e vendas reais, cuja extensão – para muito além das necessidades da sociedade – é, afinal, a base de toda a crise. Ao mesmo tempo, há uma quantidade enorme destas letras de câmbio que representam mera especulação, que agora revela sua face e colapsa; especulação fracassada com o capital de outras pessoas, com o capital-mercadoria depreciado ou invendável, ou com ganhos que nunca mais poderão ser realizados. Todo esse sistema artificial de expansão forçada do processo de reprodução evidentemente não pode ser resolvido com um banco, por exemplo, o Banco da Inglaterra, entregando a todos esses especuladores o capital que lhes falta através de seus títulos, comprando mercadorias depreciadas a seus antigos valores nominais. Aliás, é nesse momento que tudo começa a parecer distorcido, já que nesse mundo de papel, o preço real e seus fatores reais desaparecem, deixando visível somente metais, moedas, cédulas, letras de câmbio e títulos.”

Karl Marx, O Capital, vol. 3, cap. XXX.

(roubei do blog terribili.blogspot.com, de minha grande e linda amiga Alê. Na foto, o jovem Karl Marx)

1 comentários:

Alessandra Terribili disse...

Vc tem boas referências hein? rsrs... beijos amiga. Continua lindo aqui.