domingo, 8 de agosto de 2010

A canoa e o mar

Ele achava que quando soubesse o que queria tudo seria mais fácil. Afinal, quando se tem claro o objetivo, é só definir o caminho a seguir que ele é alcançado, certo? Errado. Tudo era mais fácil quando ele deixava que a vida o levasse, como o mar leva a canoa. Era mais fácil ser canoa, mesmo achando que era mar.
Quando soube exatamente o que queria, muito da canoa já havia sido destruído pela maresia.

3 comentários:

Felipe Braga disse...

Bela metáfora!
Talvez dizer algo diante de tão belas palavras seja insensibilidade. Mas não dizer seria injustiça. E acho que o vento leva o que a onda do mar traz. Nada é ininterrupto.

Te admiro muito, Manu. Tenho muito orgulho por fazer parte da UJS, do PCdoB, de onde você surgiu e encantou.
Parabéns!
Beijos.

Isadora Pisoni disse...

O que dizer? Bela demais!pena não podermos ser o vento!

Grande beijo te amo Manu
Isa

Retas de vistas disse...

Canoas de madeira são muito boas.O mar?Tanto mar!Imensidão líquida a nos separar!Canoas esculpidas na madeira bem devagar.Não tenho desejos de mar!Não tenho sequer porque nele pensar.Prefiro a calma dos igarapés e sempre ter ao alcance dos meus pés a certeza da terra firme. Desculpe!Mas preciso ir agora, pelos caminhos tranquilos destas tímidas águas,simples e boas como os seus ribeirinhos, com outros homens confraternizar. Um grande abraço!Torcendo pela sua vitória e de todas as forças progressistas nas terras de meu saudoso avô,gaúcho da Pelotas de que tanto falas.