sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

O bêbado e a equilibrista

Eu: a equilibrista. O bêbado: um desconhecido. O cenário: um hotel em plena Cidade Baixa em Porto Alegre. Depois do avião, depois de dormir com o pescoço caído, depois de não almoçar, não jantar chego em casa. Minha casa, minhas coisas, meu cheiro... Meu cheiro? Nada. Cheiro de gás, Gás forte. Minhas vizinhas velinhas devem ter esquecido o forno ligado. Devem estar morrendo. Que horror!!! Que horror, era um horror menos horror, mas um horror: o gás era meu. Minha casa. Minhas coisas. Sem o cheiro. Com cheiro de gás. Pânico, ligações, amigo sempre presente (Alexandre), problema resolvido. Mas sem gás para usar e com gás pela casa. Vou para um hotel. Que hotel? Conheço quase toda cidade, algum hotel vou me lembrar. Lembrei. Cidade Baixa. Hotel. Tem vaga? Tinha vaga. E tinha um bêbado também.
Primeiro ato bêbado: por que tu vai dormir sozinha?
Segundo ato bêbado: teu marido te correu de casa!
Terceiro ato bêbado: Tu pegou teu marido com outra!
Quarto ato bêbado: Tu és a Manuela?
Quinto ato bêbado: Já sei... É armação política!!! Só pode!
Primeiro ato Manuela: É... É armação política sim. Só pode ser. O senhor estar aqui me provocando é armação política. Depois de tudo o que eu passei lhe aguentar só pode ser armação política para ver se eu lhe agrido e saio nas capas dos jornais!
-------------------------------------------------------------------------
Hello!!! Eu nasci em agosto. Meu inferno astral já passou!!! Acho que Deus está enganado!

8 comentários:

dominiodocaos disse...

Parabéns pela narrativa repleta de ação. Ainda mais depois de passar por toda essa situação... Conseguir fazer graça dessa forma é uma arte.
Um grande abraço!

Alessandra disse...

Vc escreve de uma maneira simples e cativante. Adorei esse texto! rs

Anônimo disse...

Deputada Manuela,

O seu texto está belíssimo. Uma narrativa curta, mas que conta todos os fatos ocorridos. Parabéns, mais uma vez. Você é a nossa esperança,portanto não desanime com o dia cinzento de Brasília.

Um abraço,

Rodolfo Brandão

Saulo Cruz disse...

Burguesinha, burguesinha, burguesinhaaaa...

só no filéééé

João Paulo disse...

Perfeito o texto! Sem mais comentários...

Marinha disse...

Adorei o ritmo da narrativa, Manu!

Thiago Duwe disse...

acompanhei essa loucura pelo twitter e aqui ficou melhor ainda!

Rasta disse...

rsrsrsrs Adorei