terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Vitórias de Joãos

Acredito que aqui pelo blog é possível perceber minha paixão pelo nosso continente.
Num dos primeiros posts, ainda em 2008, escrevi sobre Juan, um jovem argentino que recuperou sua identidade aos 25 anos. Quem reler esse post (chama-se Yo soy Juan) entenderá minha alegria no dia de hoje ao ler a notícia que os "filhos" dos donos do jornal Clarín farão teste de DNA (se vocês buscarem na FSP ou no Estadão de hoje encontrarão as matérias).
Sintetizando: na cruel ditadura argentina muitas jovens grávidas (ou com filhos) foram presas. E essas crianças foram entregues aos "aliados" dos militares (ou militares mesmo) para serem criadas. Foram cerca de 500. Há muito tempo as chamadas "mães da praça de Maio" criaram um movimento chamado "avós da praça de maio" para tornar pública a situação e tentar encontrar seus netos. Uns 90 já foram encontrados. Os donos do Jornal Clarin (um dos maiores da Argentina) sempre foram suspeitos de terem criado duas dessas crianças. Esses dois (hoje jovens) nunca quiseram fazer o DNA (imaginem a confusão psicológica que é ser criado por quem ajudou a esconder a morte de teus pais). Agora há uma lei que os obriga. E hoje é o dia que eles farão o bendito exame.
Eu vejo que é possível fazer justiça com pais e mães desaparecidos. Com avós que esperaram décadas para verem em seus netos os rostos dos filhos que já se foram.O dia de hoje simboliza, em certa medida, que é possíel fazer justiça mesmo quando estamos enfrentado os mais poderosos, como são os donos do Clarín. Hoje é um dia de vitória dos Joãos e Marias da América Latina.


(O vídeo acima faz parte de uma série de TV chamada "TV por identidade". Retrata a criação do jovem Juan (que participou de um seminário do mandato este ano) pelo pai-sequestrador. A música é de Leon Gieco, em homenagem ao jovem.)

2 comentários:

Ulisses e Daise. disse...

Pocha!Valeu mesmo pela matéria,e valeu também por encontrar-te no twitter.Juventude do Araguaia é pelas ''Vitórias de Joãos''.

Niara de Oliveira disse...

Belo texto, parabéns!
De fato, é mesmo um dia de vitória para Marias e Joãos da Améria Latina.
Tomara um dia possamos dizer o mesmo sobre o Brasil, que sequer se desculpou com as famílias dos mortos e desaparecidos políticos. Quisera um dia o Brasil abra seus arquivos secretos da ditadura e passe a limpo essa página vergonhosa da nossa história, dando direito à justiça a essas famílias de além de saberem o que houve com seus entes queridos, poderem enterrá-los e seguir adiante.
E para que possamos andar de cabeça erguida, quisera os assassinos e torturadores da ditadura brasileira sejam identificados, julgados e punidos.
Espero que abraces também essa luta. Não espero nada menos de ti,já que a ampla maioria dos guerrilheiros do Araguaia, que até bem pouco tempo sequer haviam "existido" oficialmente - já que o Estado negava a existência da guerrilha e da chacina - eram do PCdoB.
Lutar por justiça aos mortos e desaparecidos é tarefa cidadã minha, tua, de todos.