domingo, 21 de outubro de 2012

Correndo

Quando dói demais corro.
Corro de tua beleza que irrita.
Corro de teus silêncios que torturam.
Corro de mim mesma, que grito.

4 comentários:

Matheus YOGA disse...

Querida você estar falando de quem?
Seu namorado?
Você mesma?
Posso quebrar o silêncio?

Anônimo disse...

Também queria saber do que você está falando. Nem tudo o que você escreve faz sentido para mim, você bem que poderia explicar. Lembro antigamente você dava explicação sobre seus textos, mas parou de repente.

Maria Eduarda disse...

Tou correndo, também. Correndo e internalizando o mantra: a vida é boa. A vida enverga, mas não quebra. Vamos correr que o tempo não para e pra frente é que se anda!

Anônimo disse...

cês num imaginam não